Transtorno do Espectro Autista

Abordagens para um tratamento sistêmico.

O que é o TEA?

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um transtorno de neurodesenvolvimento que abrange diversas condições, caracterizado por dificuldades na comunicação e na interação social, padrões comportamentais atípicos e alta sensibilidade sensorial. (1) Esse quadro multicausal é o resultado da interação entre fatores genéticos e ambientais, e afeta o desenvolvimento neural, com redução na formação de sinapses e mielinização. (3)

Dados de 2023 apontam que 1 em cada 36 crianças americanas com 8 anos foram diagnosticadas com esse transtorno (2), estatística que vem crescendo em todas as populações.

Um olhar abrangente para o paciente

A complexidade do TEA requer um tratamento sistêmico, abordando os sintomas comportamentais e as causas subjacentes que impactam o desenvolvimento neurobiológico. Indivíduos autistas frequentemente apresentam deficiências nutricionais, desequilíbrios metabólicos e problemas digestivos, podendo agravar o quadro. (4)

Estudos e observações clínicas têm demonstrado que a abordagem integrativa, que inclui o uso de suplementos e substâncias naturais, o tratamento da disbiose intestinal, a redução do estresse oxidativo e a quelação de metais pesados, pode resultar na melhora do quadro clínico de crianças autistas. Essas intervenções podem contribuir para a modulação do sistema imunológico, a otimização da função metabólica e a redução da inflamação, proporcionando uma abordagem abrangente para o tratamento das comorbidades que acompanham frequentemente o TEA, melhorando a qualidade de vida e, por vezes, o quadro como um todo.

Neste material, apresentamos algumas ferramentas para o suporte desse tratamento integrativo, com base nos estudos mais recentes sobre o tema. (5)

Melhor nutrição e controle dos sintomas

A nutrição do paciente autista é afetada pela alta seletividade alimentar, pela dificuldade na digestão e na absorção de nutrientes e pelas alergias alimentares relacionadas ao quadro. (6) Por isso, dietas com alta qualidade nutricional, antifúngicas e com a exclusão de alergênicos (principalmente glúten, caseína e soja) ou carboidratos (dieta cetogênica) podem beneficiar muito os pacientes. (7)

Retirar o açúcar contribui para a melhora da disbiose intestinal. Recomenda-se substituí-lo por adoçantes naturais. Para crianças extremamente alérgicas, é indicado o uso de alimentos hipoalergênicos, compostos por aminoácidos ao invés de proteínas, facilitando a absorção e prevenindo as reações cerebrais adversas e as disfunções na resposta imune relacionadas à má digestão de proteínas. (8)

Redução da carga tóxica e auxílio à detoxificação

Crianças do espectro autista têm alta sensibilidade às toxinas ambientais, como os metais pesados. Nesses pacientes foram encontrados níveis sanguíneos elevados desses metais com baixos níveis urinários. Isso reforça a relação dos níveis de metais pesados com os sintomas do TEA e nos mostra que estes pacientes têm dificuldades em excretar essas substâncias, agravando o quadro. (9–11)

Sabendo disso, recomenda-se a redução da carga tóxica total, com a adoção de cosméticos e produtos chemical free e o uso de ativos quelantes, que contribuem para a excreção dos metais pesados, para potencializar o tratamento e melhorar os sintomas do TEA.

Terapia quelante para a detoxificação no TEA

A terapia quelante é usada como um tratamento para a intoxicação por metais pesados, incluindo o mercúrio, arsênio, chumbo e alumínio.

Os benefícios da quelação endovenosa já são conhecidos há anos, porém existem pacientes que apresentam dificuldades para realizá-la, como no caso de crianças autistas e hiperativas, pacientes que residem longe de grandes centros e resistentes à administração injetável.

Nesses casos, a quelação oral e a transretal surge como alternativa. Para esses tratamentos, são utilizados supositórios de EDTA Cálcico, DMPS ou DMSA por via transretal, ou EDTA Cálcico, DMPS e DMSA por via oral. As vias oral e transretal servem ainda para o tratamento de manutenção após finalizada a terapia endovenosa.

Adicionar o ácido alfa-lipoico no tratamento da desintoxicação também pode ajudar, pois os metais no cérebro têm melhor eliminação com quelação utilizando-se o ALA (ácido alfa-lipoico), uma vez que essa substância quelante é capaz de atravessar a barreira hematoencefálica.

Os nutrientes sulfurosos também podem ser usados como adjuvantes na quelação oral, já que ajudam na produção de glutationa. Eles podem ser usados entre as sessões orais e retais ou após o uso dessas substâncias para concluir o processo.

Também sugere-se a suplementação de um bom multivitamínico durante o tratamento para suprir as deficiências de nutrientes, como o zinco e cromo, os quais podem ser potencialmente quelados durante o processo.

Cosméticos chemical free

Filtro solar chemical free (FPS estimado 30)

Desenvolvido somente com filtros físicos (dióxido de titânio e óxido de zinco), com tamanho de partícula segura para a barreira cutânea. Livre de substâncias com potencial mutagênico e xenoestrógenos (PABA, benzofenona, cinamatos, filtros físicos nanométricos e parabenos). Contém extratos antioxidantes (green tea, camomila, semente de uva, calêndula e aloe vera) que atuam em sinergia com os filtros físicos.

Uso sugerido: aplicar na pele a cada 2 horas ou após contato com a água.

 

Repelente Essentia – IR3535®

O IR3535® é um ativo repelente derivado do aminoácido beta-alanina, com estrutura química semelhante a ele. Esse ativo é eficaz contra insetos e vetores, como mosquitos, carrapatos, piolhos, moscas, vespas e abelhas. Além disso, é considerado seguro para lactantes, gestantes e crianças a partir de 6 meses. O Repelente Essentia não contém parabenos e contém ativos hidratantes e formadores de filme protetor que prolongam o efeito repelente.

Uso sugerido: aplicar na pele a cada 8 horas. Disponível nas versões loção e spray.

 

Creme dental com xilitol (sem flúor)

O xilitol, principal ativo desse creme dental sem flúor, possui excelente ação antimicrobiana, ajuda a reduzir a incidência de cáries e proporciona a sensação de limpeza e refrescância. Desenvolvido com ativos de origem vegetal, sem adocantes artificiais. Disponível nos aromas menta e framboesa.

Uso sugerido: uso diário, a cada escovação dos dentes.

Cuidados com o intestino:
tratamento da disbiose

Os pacientes do transtorno do espectro autista frequentemente sofrem com desequilíbrios significativos na microbiota intestinal, em comparação com indivíduos saudáveis, (13,14) o que reflete consideravelmente nos sintomas gastrointestinais e comportamentais. (15–17)

É comum a presença de disbiose fúngica (14) e de maior predisposição para infecções por helmintos, tornando importante adicionar antifúngicos e vermífugos ao tratamento, seguidos por probióticos para a flora intestinal. O uso de leveduras saudáveis também é recomendado, pois controla a colonização intestinal por Candida sp. e a melhora do sistema imune.

Probióticos e prebióticos

Pesquisas indicam que a suplementação com probióticos restaura o equilíbrio da microbiota e reduz a inflamação e a permeabilidade intestinal dos pacientes autistas, fatores relacionados à patogênese do quadro. (17) Ao melhorar a composição do microbioma, os probióticos parecem também influenciar positivamente a atividade cerebral, reduzindo a neuroinflamação. (18) Sugere-se usar associações de cepas, conforme a necessidade do paciente, ou ativos como o Neuro Psicare®, blend de cepas desenvolvido para estimular o eixo cérebro-intestino e atuar em quadros cognitivos e alterações comportamentais. Ainda, suplementar junto os prebióticos, como FOS e Inulina, potencializa a eficácia do tratamento.

Dose sugerida: Neuro Psicare®: 50 a 400mg ao dia. Para crianças com menos de 20kg, sugere-se o uso de 25 a 200mg ao dia. Veja outras opções de pré e probióticos nas sugestões de fórmulas.

Melhora do sono e relaxamento

Dificuldades na hora de dormir são comuns em pacientes com TEA e tendem a agravar os sintomas do quadro. (19) Nesse contexto, o uso de ativos para a melhora da qualidade do sono e do relaxamento pode ajudar na convivência diária e na execução das terapias.

Melatonina Duo

A melatonina é um hormônio com ação sobre o sono e na prevenção do estresse oxidativo. Seu uso tende a melhorar a qualidade do sono dos pacientes, com menos tempo para o adormecer e proporcionando um sono sem interrupções. (19, 20) Para melhores resultados, é importante individualizar sua dose e a forma farmacêutica de acordo com a necessidade do paciente. Uma alternativa interessante para personalização é a Melatonina Duo, produzida com a tecnologia Micro-SR™, que possui uma liberação fast and slow release, promovendo uma liberação imediata e prolongada da substância, o que ajuda a indução e a manutenção do sono.

Dose sugerida: 0,5 a 3mg, cerca de 1 hora antes de deitar. Os estudos sugerem doses de 0,05mg/kg para crianças a partir de 1 ano.

 

L-teanina e L-taurina

Pacientes com TEA apresentam uma hiperexcitabilidade glutamatérgica importante, acompanhada da redução da sinalização gabaérgica, fatores que geram ansiedade e agitação. (21,22) A L-teanina e a L-taurina irão contribuir para o equilíbrio desses neurotransmissores. Enquanto a L-teanina controla o excesso glutamatérgico por meio do bloqueio da transformação do ácido L-glutâmico em glutamato, (23) a L-taurina aumenta a síntese e os níveis centrais de GABA via expressão enzimática da glutamato descarboxilase. (24) Além disso, estudos pré-clínicos demonstraram que a L-taurina tem afinidade pelos receptores glutamatérgicos NMDA e pode reduzir a excitotoxicidade glutamatérgica, se mostrando promissora para o tratamento do TEA. (25)

Dose sugerida: L-teanina: via oral, 100 a 300mg, 2 a 4x ao dia; na forma sublingual, 2 a 4 comprimidos de 50mg, 2 a 4x ao dia. (Estudos com crianças usaram doses de 200 a 400mg ao dia). L-taurina: 50 a 500mg, 1 a 4x ao dia. Quando em doses menores, podem ser usadas em cápsulas sublinguais.

 

5-hidroxitriptofano (5-HTP)

O Transtorno do Espectro Autista também está relacionado a distúrbios no metabolismo serotoninérgico, com baixa disponibilidade cerebral de triptofano nesses pacientes. (26, 27) As crianças frequentemente apresentam baixos níveis de serotonina no sistema nervoso central, levando à piora dos sintomas de ansiedade e dos comportamentos repetitivos. (28) A suplementação com 5-HTP surge como alternativa para equilibrar os níveis cerebrais desse neurotransmissor. Diferentemente do L-triptofano, o 5-HTP apresenta a vantagem de ser utilizado exclusivamente nas vias metabólicas para a síntese de serotonina, apresentando maior efetividade em nível cerebral. (28)

Dose sugerida: 50 a 300mg ao dia.

Nutrição e regeneração cerebral

Ativos que contribuem para o controle da neuroinflamação, para a regeneração das funções cognitivas e para a nutrição cerebral.

Ácidos graxos ômega-3

A suplementação com ômega-3 é uma intervenção promissora no tratamento do TEA, especialmente devido aos seus benefícios cerebrais. É comum que os pacientes tenham baixos índices desses ácidos graxos circulantes, fato relacionado com a manutenção da neuroinflamação e do estresse oxidativo no cérebro e com o desequilíbrio dos neurotransmissores. (6) Estudos demonstram que o aumento desses níveis melhora os comportamentos estereotipados e a comunicação (29,30), além de reduzir marcadores de neuroinflamação. (31, 32) Crianças que recebem ômega-3 também apresentam melhora no processamento sensorial e na irritabilidade. (30, 33) Os níveis de ômega-6 e ômega-9 também estão reduzidos no TEA, e sua associação ao tratamento pode potencializar os resultados anti-inflamatórios e comportamentais.(32)

Dose sugerida: a dose nutricional para prevenção de doenças e proteção da função neurológica e cognitiva é de 1 a 4g de ômega-3 ao dia. Como opção para a suplementação, o Super Omega-3 TG e o DHA TG, da Essential Nutrition, estão disponíveis em cápsulas e na forma líquida, alternativas que otimizam a adesão ao tratamento de crianças e adultos.

 

Palmitoiletanolamida (PEA)

A palmitoiletanolamida (PEA) tem sido estudada como um potencial adjuvante no tratamento do autismo, destacando-se por sua capacidade de controlar a neuroinflamação, um fator relevante na etiologia da condição. (34,35) Além disso, algumas investigações, como de Khalaj e colaboradores, (36) demonstraram que a combinação de PEA com risperidona potencializou os efeitos do medicamento na redução da irritabilidade e hiperatividade associadas ao quadro, comparado ao uso isolado da risperidona ou placebo.

Dose sugerida: 400 a 1200mg ao dia, fracionadas em 2 a 3 tomadas. Pode ser utilizada nestas dosagens em crianças a partir de 4 anos.

 

Anandamida

Endocanabinoide envolvido em funções cerebrais de alta relevância, como cognição, regulação emocional, comportamentos sociais, motivação e sistema de recompensa, para o tratamento do quadro. (37) Seus níveis estão reduzidos em pacientes autistas (37) e, segundo achados em animais, a suplementação com anandamida pode melhorar a ansiedade, os comportamentos sociais e a forma de comunicação relacionada ao TEA. (38,39)

Dose sugerida: 200mg ao dia.

 

Citicolina

Atua como precursor da acetilcolina e estimula a síntese de outros neurotransmissores, como a serotonina e a dopamina. Além disso, participa da síntese dos fosfolipídeos das membranas celulares cerebrais, contribui para a remielinização e protege o cérebro contra a neuroinflamação. (40,41) Estudos avaliaram a eficácia e a segurança da citicolina em crianças, inclusive menores de 2 anos, (42) observando ação neuroprotetora (43) e neurodegenerativa (42). Ensaios em animais observaram resultados promissores para a citicolina na proteção contra o dano oxidativo e a neuroinflamação relacionados ao quadro. (44)

Dose sugerida: 200 a 400mg ao dia. Estudos comprovam a segurança da dose de 10mg/kg ao dia em crianças menores de 2 anos.

 

Curcumin Micro-SR™

O curcumin, principal ativo da Curcuma longa, possui atividades anti-inflamatórias, antioxidantes e neuroprotetoras comprovadas, (45, 46) ações que o tornam um suplemento promissor para o tratamento do TEA. Estudos pré-clínicos apontam que a curcumina controlou as alterações bioquímicas relacionadas à síndrome, principalmente relacionadas à neuroinflamação, ao dano oxidativo e às disfunções mitocondriais. A suplementação também melhorou as interações sociais, a ansiedade, as ações repetitivas e outros sintomas comportamentais. (45, 46) Suas propriedades são potencializadas pela tecnologia Micro-SR™, pela qual o ativo é primeiramente micronizado e microencapsulado, aumentando a sua biodisponibilidade em 10x quando comparado à curcuma 95% padrão, além de um controle de liberação prolongado durante 10 horas.

Dose sugerida: 25 a 250mg ao dia, podendo dividir a dose em 2 tomadas (corresponde de 250mg a 2,5g de curcumina). Pode ser associado a outros ativos.

 

L-carnosina

Dipeptídeo importante para a saúde cerebral, que atua na neuroproteção e no funcionamento neurológico. Sua suplementação em pacientes autistas melhorou os sintomas comportamentais, sociais e relacionados à fala e comunicação (47) e a qualidade do sono, (48) em comparação ao grupo placebo. Quando associada à risperidona, a L-carnosina foi capaz de potencializar os efeitos sobre a hiperatividade e sobre a execução de tarefas, apresentando melhores resultados que o uso isolado da substância. (49)

Dose sugerida: 400 a 800mg ao dia. Estudos com crianças a partir de 3 anos usaram doses 400mg, 2x ao dia.

 

Ocitocina

Age como um neurotransmissor ou neuromodulador de diversos processos, tais como modulação da ansiedade, libido, interação social e regulação das respostas neuroendócrinas e cardiovasculares. Trabalhos científicos comprovam seus benefícios no tratamento de crianças, melhorando o comportamento repetitivo, as interações sociais e o vínculo emocional. (50, 51)

Dose sugerida: 5 a 10UI via sublingual ou intranasal pela manhã e, se necessário, à tarde e no início da noite. Pode elevar a dose até 20UI, 2 a 3 vezes ao dia. Depois de algum tempo, não soma mais efeito e pode ser interrompido seu uso sem desaparecer seus ganhos.

ATENÇÃO: Seu uso pode interferir nos níveis de melatonina e por esse motivo não se recomenda a utilização ao deitar.

Antioxidantes

Ativos que controlam o estresse oxidativo, atuam na proteção cerebral e na melhora da resposta imune e contribuem para as habilidades comportamentais dos pacientes.

Coenzima Q10 Micro-SR™

Pacientes autistas frequentemente apresentam disfunções mitocondriais e defesas antioxidantes reduzidas, (52) fatores que podem afetar negativamente o funcionamento cerebral e a resposta imune. Assim, a suplementação de antioxidantes, como a coenzima Q10, é importante para reduzir o estresse oxidativo e melhorar os sintomas do quadro. (6) Esse fator foi observado em estudo placebo-controlado com crianças autistas, nas quais o uso de coenzima Q10 reduziu os níveis de marcadores oxidativos e melhorou sintomas relacionados ao sono e ao trato gastrointestinal. (53) Suas propriedades são potencializadas pela tecnologia Micro-SR™ pela qual o ativo é primeiramente micronizado e microencapsulado, aumentando a biodisponibilidade em 3,7x quando comparado à CoQ10 padrão.

Dose sugerida: 10 a 30mg ao dia. Estudos com crianças a partir de 3 anos utilizaram doses de 30 a 60mg de Coenzima Q10 padrão (equivalentes de 9 a 16mg de CoQ10 Micro-SR™).

 

Brocophanus® (1% Sulforafano)

Composto por extratos vegetais de Brassica oleracea (brócolis) e Raphanus sativus nigra (rabanete), espécies ricas em isotiocianatos, conhecidos por suas capacidades detoxificante, neuroprotetora e anticancerígena. É padronizado em 1% de sulforafano, fitoquímico cujas propriedades vêm sendo estudadas para o tratamento do TEA. Em estudos recentes, o sulforafano apresentou resultados positivos na melhora dos sintomas sociais e comportamentais do autismo (54,55), além de potencializar os efeitos da risperidona na melhora da irritabilidade e da hiperatividade dos pacientes. (56)

Dose sugerida: 100mg, 2x ao dia. Pode ser utilizado nestas dosagens em crianças a partir de 4 anos.

 

Resveratrol Micro-SR™

O resveratrol demonstra propriedades neuroprotetoras devido às suas ações anti-inflamatória e antioxidante, tornando-o promissor no tratamento de doenças neurodegenerativas, incluindo o autismo. Estudos pré-clínicos sugerem que esse ativo pode melhorar os sintomas sociais, cognitivos e comportamentais. O mecanismo para esses resultados envolve a redução do dano oxidativo no cérebro e a modulação das alterações imunológicas e mitocondriais associadas ao TEA. (57, 58) Em crianças diagnosticadas, o resveratrol combinado com a risperidona mostrou-se eficaz na redução da hiperatividade e do comportamento inflexível, superando os resultados obtidos apenas com o ativo isolado. (59) Sugere-se o uso do Resveratrol Micro-SR™, cuja tecnologia aumenta em 2,5x sua biodisponibilidade.

Dose sugerida: 20 a 80mg ao dia (corresponde de 50 a 200mg de resveratrol comum). Estudos em crianças a partir de 4 anos usaram 250mg, 2x ao dia, do resveratrol padrão.

 

N-acetilcisteína (NAC)

Os principais resultados da N-acetilcisteína no tratamento do TEA estão relacionados com a melhora da irritabilidade (60–62). Ainda, segundo pesquisas recentes, esse ativo apresenta benefícios para o tratamento quando associado à risperidona. (61) Os mecanismos pelos quais a N-acetilcisteína pode auxiliar os pacientes envolvem sua ação antioxidante cerebral, anti-inflamatória e moduladora das funções mitocondriais. (62) Além disso, a NAC possui efeitos antiglutamatérgicos, reduzindo a hiperexcitabilidade relacionada a esse neurotransmissor encontrado nos autistas. (60)

Dose sugerida: 600 a 2000mg ao dia. Estudos com crianças a partir de 3 anos usaram doses a partir de 500mg/dia.

Multivitamínicos

As vitaminas e minerais servem de suporte para a metilação e para as deficiências nutricionais encontradas nos pacientes.

O aumento da metilação é um processo fundamental para a regulação da expressão gênica, a síntese de neurotransmissores e a manutenção do funcionamento adequado do sistema imunológico, o qual está comprometido no TEA.

A correção desse processo em crianças tem sido associada à melhora significativa no quadro clínico. Para isso, a suplementação das vitaminas do ciclo da metilação (B12, B6 e ácido fólico) apresenta excelentes resultados. Porém, alguns pacientes apresentam mutações genéticas que impedem o uso desses nutrientes.

Dessa forma, devemos usar essas vitaminas na forma ativa, como a metilcobalamina (vitamina B12 ativa), responsável por promover o aumento da metilação e atuar como um potente neuroprotetor, contribuindo para o crescimento das sinapses e da mielinização. (63) Além disso, o ácido folínico e metilfolato também estão envolvidos no aumento da metilação e na melhora dos sintomas relacionados à fala e comunicação. (54,63)

Dose sugerida: Metilcobalamina: 0,5 a 1mg, 3x ao dia (sublingual). Ácido folínico e metilfolato: 20mcg a 1mg ao dia.

IMPORTANTE

Este material é de apoio técnico para prescritores e é proibida a sua divulgação para consumidores, nos termos do item 5.14 da RDC 67/2007.

Confira algumas sugestões de fórmulas, elaboradas pela nossa equipe multidisciplinar, para cada etapa do tratamento integrativo do TEA.
As fórmulas sugeridas em cápsulas podem ser abertas no momento da administração e dissolvidas em líquidos, facilitando as tomadas para crianças que não toleram cápsulas.

Infecções fúngicas

Opções para manipular em doses adequadas e sinérgicas de antifúngicos.

Solução oral de Nistatina

  • Nistatina 500.000UI
  • Solução oral qsp 5ml

Sugestão posológica: tomar 1 dose de 5ml, 3x ao dia.

Solução oral de Fluconazol

  • Fluconazol 75mg
  • Solução oral qsp 5ml

Sugestão posológica: tomar 1 dose de 5ml, 1x ao dia.

Solução de Nistatina e Fluconazol

  • Nistatina 500.000UI
  • Fluconazol 25mg
  • Solução oral qsp 5ml

Sugestão posológica: tomar 1 dose de 5ml, 3x ao dia.

Obs: para manipular de forma associada o fluconazol com a nistatina, calcula-se a dose de fluconazol para a criança (1 a 3mg/kg) e divide-se a dose nas 3 tomadas de nistatina.

Tratamentos para verminoses

As crianças com TEA apresentam predisposição para infecções por helmintos, sendo necessário o uso mais prolongado de vermífugos:

Solução oral de Albendazol

  • Albendazol 400mg
  • Solução oral qsp 5ml

Sugestão posológica: tomar 1 dose de 5ml, de 3 a 10 dias.

Solução oral de Mebendazol

  • Mebendazol 100mg
  • Solução oral qsp 5ml

Sugestão posológica: tomar 1 dose de 5ml, 2x ao dia, de 5 a 15 dias.

Probióticos e prebióticos

Alternativas benéficas para a saúde intestinal e o equilíbrio da flora intestinal.

Pool de probióticos – 13 bilhões

  • Lactobacillus Acidophilus1 blh UFC
  • Lactobacillus Bulgaricus1 blh UFC
  • Lactobacillus Casei1 blh UFC
  • Lactobacillus Gasseri1 blh UFC
  • Lactobacillus Paracasei1 blh UFC
  • Lactobacillus Plantarum1 blh UFC
  • Lactobacillus Reuteri1 blh UFC
  • Lactobacillus Rhamnosus1 blh UFC
  • Bifidobacterium brevis1 blh UFC
  • Bifidobacterium infantis1 blh UFC
  • Bifidobacterium lactis1 blh UFC
  • Bifidobacterium longum1 blh UFC
  • Bifidobacterium animali 1 blh UFC

Sugestão posológica: abrir a cápsula e dissolver o conteúdo em líquido da preferência, 1x ao dia.

Fórmula de apoio ao intestino – cérebro

  • Lactobacillus helveticus 1 blh UFC
  • Lactobacillus rhamnosus 1 blh UFC
  • Bifidobacterium longum 1 blh UFC
  • Bifidobacterium infantis 1 blh UFC
  • Inulina 500 mg
  • Sachês

Sugestão posológica: tomar 1 a 2 doses ao dia.

Apoio à microbiota com Neuro Psicare®

A combinação exclusiva das cepas desse ativo é capaz de produzir e liberar substâncias neuroativas, como ácido gama aminobutírico (GABA) e serotonina, que atuam no eixo cérebro-intestino.

  • Neuro Psicare® 300mg

Sugestão posológica: abrir a cápsula e dissolver o conteúdo em líquido da preferência, 1x ao dia.

Reposição com leveduras saudáveis

Durante ou após o uso de antibióticos ou após o tratamento fungicida, pode-se prescrever o uso de leveduras, pois competem com a Candida Sp, reduzindo sua colonização intestinal e agindo como imunoestimulante.

Saccharomyces Boulardii

  • Saccharomyces boulardii 200mg

Sugestão posológica: tomar 1 dose, 2x ao dia.

Saccharomyces Boulardii e Epicor®

  • Saccharomyces boulardii 150mg
  • Epicor® (Saccharomyces cerevisiae) 150mg

Sugestão posológica: tomar 1 dose ao dia.

Quelação

Opções de fórmulas que favorecem o tratamento de quelação.

Fórmula quelante com EDTA oral

  • EDTA 1.000mg

Sugestão posológica: tomar de 1.000 a 4.000mg entre as refeições e ao deitar, 4x ao dia, em dias alternados e durante 3 semanas, pausando 1 semana entre os ciclos.

EDTA em supositórios

  • EDTA 500 a 1.000mg
  • Supositório base especial

Sugestão posológica: aplicar ao deitar em dias alternados.

DMSA oral

  • DMSA 0,5mg por kg/dose
  • Pode aumentar até 5mg/kg considerando o máximo de 250mg/dose.

Sugestão posológica: 1 dose via oral, 3x ao dia, um a dois dias por semana.

DMSA supositório

  • DMSA 0,5mg por kg/dose
  • Supositório base especial, considerando o máximo de 300mg/dose.

Sugestão posológica: aplicar ao deitar, 2x na semana.

DMPS oral

  • DMPS 1 a 4mg por kg/dose

Sugestão posológica: 1 dose via oral, 3x ao dia (8 em 8h) por 2 dias. Fazer pausa de, no mínimo, 5 dias entre os ciclos.

DMPS e ácido alfa-lipoico oral

  • DMPS 1mg por kg/dose
  • Ácido lipoico 1mg por kg/dose

Sugestão posológica: 1 dose via oral, 3 vezes ao dia, 2 dias por semana.

Fórmula com aminoácidos sulfurosos

  • Ácido R-alfa-lipoico 50mg
  • N-acetilcisteína 600mg
  • L-glicina 500mg
  • L-metionina 500mg
  • L-taurina 500mg

Sugestão posológica: tomar uma dose fracionada entre as refeições.

Enzimas digestivas

Fórmulas que ajudam na digestão dos alimentos.

Pool de enzimas digestivas

  • Protease 50mg
  • Lipase 20mg
  • Pancreatina 100mg
  • Alfa-amilase 50mg
  • Pepsina 50mg
  • Bromelina 200mg

Sugestão posológica: tomar 1 a 2 doses após as 2 principais refeições do dia. Pode ser manipulada em sachê para dissolução, ou abrir as cápsulas e dissolver o conteúdo em líquidos.

Enzactive®

Complexo multienzimático que auxilia na digestão de proteínas, glúten, caseína, soja, carboidratos, açúcares, lactose e gorduras. Indivíduos com sensibilidade ao glúten e à caseína podem se beneficiar da ingestão do Enzactive® por meio da dipeptidase IV que quebra peptídeos a nível da mucosa intestinal.

  • Enzactive® 250mg

Sugestão posológica: tomar 1 a 2 doses após as refeições. Pode ser manipulada em sachê para dissolução, ou em cápsulas.

Melhora do sono e relaxamento

Opções que atuam na melhora da qualidade do sono e do relaxamento, podendo ajudar no dia a dia de pacientes com TEA.

Melatonina Duo – Fast and Slow Release

Ajuda na rápida indução do sono e na sua manutenção, proporcionando um sono tranquilo, reparador e sem interrupções.

  • Melatonina Duo 0,5mg

Sugestão posológica: abrir a cápsula e dissolver o conteúdo em líquido de preferência 1x ao dia, à noite.

Obs: a dose pode ser ajustada de acordo com a resposta do paciente. Sonhos vívidos ou sonolência pela manhã podem indicar necessidade de redução da dose.

Melatonina para crianças

Estudos sugerem doses a partir de 0.05mg/kg de Melatonina para crianças a partir de 1 ano. Essa pode ser manipulada em gotas, possibilidade farmacêutica que também pode ser utilizada por adultos, para uma rápida indução do sono. Caso a ação desejada seja uma liberação gradual ao longo da noite, pode ser sugerida a forma farmacêutica de creme transdérmico.

  • Melatonina 0,5mg
  • Solução oral qsp 2 gotas

Sugestão posológica: administrar 1 dose de 2 gotas antes de dormir.

Solução com ativos calmantes e magnésio

  • GABA 200mg
  • L-teanina 200mg
  • 5-hidroxitriptofano 15mg
  • Magnésio (quelado) 25mg
  • L-taurina 200mg
  • Melissa (extrato padronizado) 200mg
  • Solução oral qsp 5ml

Sugestão posológica: tomar 1 dose de 5ml, 2 a 4x ao dia.

Obs: as doses podem ser aumentadas conforme necessidade do paciente.

Multivitamínicos, nutrição, regeneração e aumento da metilação

Fórmulas que auxiliam no aporte nutricional adequado para pacientes com TEA.

Fórmula vitamínica Agape

Fórmula completa desenvolvida pela Dra. Cindy Schneider.

  • Vitamina A (betacaroteno) 1.000UI
  • Vitamina C 500mg
  • Vitamina D3 (lipofílica) 1.000UI
  • Tocofemax (mix de tocoferóis) 50mg
  • Tiamina 30mg
  • Riboflavina 5-fosfato 25mg
  • Vitamina B3 (niacinamida) 5mg
  • Metilcobalamina 1.000mcg
  • Boro (quelado) 500mcg
  • Iodeto potássio 100mcg
  • Magnésio L-treonato 200mg
  • Zinco (citrato) 30mg
  • Cromo (quelado) 50mcg
  • Molibidênio (quelado) 100mcg
  • Selênio (metionina) 50mcg
  • Colina (citrato) 50mg
  • N-acetil-L-carnitina 500mg
  • Vanadio (quelado) 40mcg
  • Vitamina B6 5mg
  • Coenzima Q10 Micro-SR™ 10mg
  • Ácido folínico 800mcg
  • Metilfolato 200mcg
  • Biotina 1mg
  • Piridoxal 5-fosfato 20mg
  • Solução oral aroma laranja qsp 15ml

Sugestão posológica: tomar ½ dose de 7,5ml de manhã e ½ dose de 7,5ml à noite.

Fórmula vitamínica para autismo

  • Vitamina C Total 300mg
  • Tocofemax (mix de tocoferóis) 90mg
  • Vitamina A (2/3 betacaroteno 1/3 retinol) 2.000UI
  • Vitamina D3 (lipofílica) 2.000UI
  • Sulbutiamina 5mg
  • Vitamina B2 5mg
  • Vitamina B3 (niacinamida) 30mg
  • Vitamina B5 10mg
  • Vitamina B6 30mg
  • Metilcobalamina 500mcg
  • Ácido folínico 400mcg
  • Inositol 200mg
  • Biotina 150mcg
  • Magnésio (quelado) 100mg
  • Cálcio (quelado) 100mg
  • Acetil-L-carnitina 100mg
  • Zinco (quelado) 15mg
  • Selênio (quelado) 40mcg
  • Manganês (quelado) 0,5mg
  • Cromo (quelado) 50mcg
  • Molibdênio (quelado) 50mcg
  • Vitamina K2 40mcg
  • Solução oral (framboesa, laranja, menta ou morango) qsp 20ml

Sugestão posológica: tomar 1 dose (20ml) ao dia.

Gotas sublinguais para aumento da metilação com B6

  • Metilcobalamina 500mcg
  • Ácido folínico 200mcg
  • Piridoxal 5-fosfato 2,5mg
  • Solução sublingual base qsp 4 gotas

Sugestão posológica: usar 1 dose de 4 gotas via sublingual, 1x ao dia na primeira semana, 2x ao dia na segunda semana e 3x ao dia a partir da terceira semana.

Obs: as doses podem ser aumentadas conforme a necessidade do paciente.

Gotas sublinguais para aumento da metilação

  • Metilcobalamina 500mcg
  • Ácido folínico 200mcg
  • Metilfolato 200mcg
  • Solução sublingual base qsp 4 gotas

Sugestão posológica: usar 1 dose de 4 gotas via sublingual, 1x ao dia na primeira semana, 2x ao dia na segunda semana e 3x ao dia a partir da terceira semana.

Obs: as doses podem ser aumentadas conforme a necessidade do paciente.

Gotas sublinguais ou spray intranasal de Metilcobalamina

  • Metilcobalamina 500mcg
  • Solução sublingual ou spray nasal qsp 1 dose

Sugestão posológica: usar 1 dose de 2 gotas ou 2 jatos, 1x ao dia na primeira semana, 2x ao dia na segunda semana e 3x ao dia a partir da terceira semana.

Obs: a dose pode ser aumentada conforme a necessidade do paciente.

Fórmula para nutrição cerebral no autismo

Associação de nutrientes que visam o aporte de antioxidantes, a redução da neuroinflamação e a contribuição para as sinapses e remielinização.

  • Anandamida 100mg
  • Citicolina 200mg
  • CoQ10 Micro SR™ 15mg
  • L-carnosina 300mg
  • Metilcobalamina 500mcg
  • Ácido folínico 300mcg
  • Piridoxal 5-fosfato 30mg
  • Vitamina E Total 100UI

Sugestão posológica: tomar 1 dose, fracionada em 2x ao dia. Associar 1 dose de DHA Liquid TG Essential ao dia.

Booster antioxidante cerebral

Os pacientes autistas frequentemente apresentam disfunções mitocondriais e defesas antioxidantes reduzidas, justificando a necessidade de um aporte de antioxidantes.

  • Broncophanus (1% sulforafano) 100mg
  • CoQ10 Micro SR™ 15mg
  • Resveratrol Micro SR™ 20mg

Sugestão posológica: tomar 1 dose ao dia.

Combate à neuroinflamação para o autismo

O combate à neuroinflamação tem resultados importantes no autismo, melhorando os sintomas chave do quadro.

  • PEA 300mg
  • Curcumin Micro SR™ 20mg
  • Luteolina 100mg

Sugestão posológica: 1 dose, 2x ao dia. Associar 1 dose do Super Omega TG Liquid ao dia.

Oxitocina intranasal

O combate à neuroinflamação tem resultados importantes no autismo, melhorando os sintomas chave do quadro.

  • Oxitocina 5UI
  • Spray nasal qsp 1 jato

Sugestão posológica: aplicar 1 jato pela manhã e, se necessário, à tarde ou início da noite.

Produtos Essential Nutrition

Opções para complementar os tratamentos sugeridos e potencializar os resultados.

Conteúdos relacionados

1. World Health Organization (WHO). https://www.who.int/news-room. [cited 2024 Apr 11]. Autism. Available from: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/autism-spectrum-disorders?gad_source=1&gclid=Cj0KCQjw8J6wBhDXARIsAPo7QA9QEn9AikB9ZfBZPmadiWGa4YN1lb7CuP5N2XSvsDsma1nVtHEc1FsaAjIGEALw_wcB

2. Walensky RP, Bunnell R, Kent CK, Gottardy AJ, Leahy MA, Martinroe JC, et al. Morbidity and Mortality Weekly Report Prevalence and Characteristics of Autism Spectrum Disorder Among Children Aged 8 Years-Autism and Developmental Disabilities Monitoring Network, 11 Sites, United States, 2020 Surveillance Summaries Centers for Disease Control and Prevention MMWR Editorial and Production Staff (Serials) MMWR Editorial Board. 2020.

3. Amaral DG, Schumann CM, Nordahl CW. Neuroanatomy of autism. Vol. 31, Trends in Neurosciences. 2008. p. 137–45.

4. Adams JB, Audhya T, Geis E, Gehn E, Fimbres V, Pollard EL, et al. Comprehensive nutritional and dietary intervention for autism spectrum disorder—a randomized, controlled 12-month trial. Nutrients. 2018 Mar 17;10(3).

5. Trudeau MS, Madden RF, Parnell JA, Ben Gibbard W, Shearer J. Dietary and supplement-based complementary and alternative medicine use in pediatric autism spectrum disorder. Nutrients. 2019 Aug 1;11(8).

6. Sivamaruthi BS, Suganthy N, Kesika P, Chaiyasut C. The role of microbiome, dietary supplements, and probiotics in autism spectrum disorder. Vol. 17, International Journal of Environmental Research and Public Health. MDPI AG; 2020.

7. Yu Y, Huang J, Chen X, Fu J, Wang X, Pu L, et al. Efficacy and Safety of Diet Therapies in Children With Autism Spectrum Disorder: A Systematic Literature Review and Meta-Analysis. Front Neurol. 2022 Mar 14;13.

8. Sanctuary MR, Kain JN, Angkustsiri K, German JB. Dietary Considerations in Autism Spectrum Disorders: The Potential Role of Protein Digestion and Microbial Putrefaction in the Gut-Brain Axis. Vol. 5, Frontiers in Nutrition. Frontiers Media S.A.; 2018.

9. Modabbernia A, Velthorst E, Reichenberg A. Environmental risk factors for autism: an evidence-based review of systematic reviews and meta-analyses. Vol. 8, Molecular Autism. BioMed Central Ltd.; 2017.

10. Amadi CN, Orish CN, Frazzoli C, Orisakwe OE. Association of autism with toxic metals: A systematic review of case-control studies. Vol. 212, Pharmacology Biochemistry and Behavior. 2022.

11. Ding M, Shi S, Qie S, Li J, Xi X. Association between heavy metals exposure (cadmium, lead, arsenic, mercury) and child autistic disorder: a systematic review and meta-analysis. Front Pediatr. 2023;11.

12. Zhao ZY, Liang L, Fan X, Yu Z, Hotchkiss AT, Wilk BJ, et al. The role of modified citrus pectin as an effective chelator of lead in children hospitalized with toxic lead levels. Altern Ther Health Med. 2008;14(4).

13. Alamoudi MU, Hosie S, Shindler AE, Wood JL, Franks AE, Hill-Yardin EL. Comparing the Gut Microbiome in Autism and Preclinical Models: A Systematic Review. Vol. 12, Frontiers in Cellular and Infection Microbiology. Frontiers Media S.A.; 2022.

14. Andreo-Martínez P, Rubio-Aparicio M, Sánchez-Meca J, Veas A, Martínez-González AE. A Meta-analysis of Gut Microbiota in Children with Autism. J Autism Dev Disord. 2022 Mar 1;52(3):1374–87.

15. Martínez-González AE, Andreo-Martínez P. The role of gut microbiota in gastrointestinal symptoms of children with ASD. Vol. 55, Medicina (Lithuania). MDPI AG; 2019.

16. Iglesias–vázquez L, Riba GVG, Arija V, Canals J. Composition of gut microbiota in children with autism spectrum disorder: A systematic review and meta-analysis. Vol. 12, Nutrients. MDPI AG; 2020.

17. Rose DR, Yang H, Serena G, Sturgeon C, Ma B, Careaga M, et al. Differential immune responses and microbiota profiles in children with autism spectrum disorders and co-morbid gastrointestinal symptoms. Brain Behav Immun. 2018;70.

18. Billeci L, Callara AL, Guiducci L, Prosperi M, Morales MA, Calderoni S, et al. A randomized controlled trial into the effects of probiotics on electroencephalography in preschoolers with autism. Autism. 2023 Jan 1;27(1):117–32.

19. Malow BA, Findling RL, Schroder CM, Maras A, Breddy J, Nir T, et al. Sleep, Growth, and Puberty After 2 Years of Prolonged-Release Melatonin in Children With Autism Spectrum Disorder. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry. 2021 Feb 1;60(2):252-261.e3.

20. Xiong M, Li F, Liu Z, Xie X, Shen H, Li W, et al. Efficacy of Melatonin for Insomnia in Children with Autism Spectrum Disorder: A Meta-analysis. Vol. 54, Neuropediatrics. Georg Thieme Verlag; 2022. p. 167–73.

21. Al-Otaish H, Al-Ayadhi L, Bjørklund G, Chirumbolo S, Urbina MA, El-Ansary A. Relationship between absolute and relative ratios of glutamate, glutamine and GABA and severity of autism spectrum disorder. Metab Brain Dis. 2018 Jun 1;33(3):843–54.

22. Montanari M, Martella G, Bonsi P, Meringolo M. Autism Spectrum Disorder: Focus on Glutamatergic Neurotransmission. Vol. 23, International Journal of Molecular Sciences. MDPI; 2022.

23. Kimura K, Ozeki M, Juneja LR, Ohira H. l-Theanine reduces psychological and physiological stress responses. Biol Psychol. 2007;74(1).

24. El Idrissi A. Taurine Regulation of Neuroendocrine Function. In: Advances in Experimental Medicine and Biology. Springer New York LLC; 2019. p. 977–85.

25. Bhandari R, Varma M, Rana P, Dhingra N, Kuhad A. Taurine as a potential therapeutic agent interacting with multiple signaling pathways implicated in autism spectrum disorder (ASD): An in-silico analysis. IBRO Neurosci Rep. 2023 Dec 1;15:170–7.

26. Ormstad H, Bryn V, Verkerk R, Skjeldal OH, Halvorsen B, Saugstad OD, et al. Serum Tryptophan, Tryptophan Catabolites and Brain-derived Neurotrophic Factor in Subgroups of Youngsters with Autism Spectrum Disorders. CNS Neurol Disord Drug Targets. 2018 Jul 23;17(8):626–39.

27. Croonenberghs J, Verkerk R, Scharpe S, Deboutte D, Maes M. Serotonergic disturbances in autistic disorder: L-5-hydroxytryptophan administration to autistic youngsters increases the blood concentrations of serotonin in patients but not in controls. Life Sci. 2005 Mar 25;76(19):2171–83.

28. Zafeiriou DI, Ververi A, Vargiami E. The Serotonergic System: Its Role in Pathogenesis and Early Developmental Treatment of Autism. Vol. 7, Current Neuropharmacology. 2009.

29. Doaei S, Bourbour F, Teymoori Z, Jafari F, Kalantari N, Torki SA, et al. The effect of omega-3 fatty acids supplementation on social and behavioral disorders of children with autism: A randomized clinical trial. Pediatr Endocrinol Diabetes Metab. 2021;27(1).

30. Mazahery H, Conlon CA, Beck KL, Mugridge O, Kruger MC, Stonehouse W, et al. A Randomised-Controlled Trial of Vitamin D and Omega-3 Long Chain Polyunsaturated Fatty Acids in the Treatment of Core Symptoms of Autism Spectrum Disorder in Children. J Autism Dev Disord. 2019 May 15;49(5):1778–94.

31. Mazahery H, Conlon CA, Beck KL, Mugridge O, Kruger MC, Stonehouse W, et al. Inflammation (Il-1β) modifies the effect of vitamin d and omega-3 long chain polyunsaturated fatty acids on core symptoms of autism spectrum disorder—an exploratory pilot study‡. Nutrients. 2020 Mar 1;12(3).

32. Keim SA, Jude A, Smith K, Khan AQ, Coury DL, Rausch J, et al. Randomized Controlled Trial of Omega-3 and -6 Fatty Acid Supplementation to Reduce Inflammatory Markers in Children with Autism Spectrum Disorder. J Autism Dev Disord. 2022 Dec 1;52(12):5342–55.

33. Mazahery H, Conlon CA, Beck KL, Mugridge O, Kruger MC, Stonehouse W, et al. A randomised controlled trial of vitamin D and omega-3 long chain polyunsaturated fatty acids in the treatment of irritability and hyperactivity among children with autism spectrum disorder. Journal of Steroid Biochemistry and Molecular Biology. 2019 Mar 1;187:9–16.

34. El-Ansary A, Al-Ayadhi L. Neuroinflammation in autism spectrum disorders. J Neuroinflammation. 2012 Dec 11;9.

35. Petrosino S, Moriello AS. Palmitoylethanolamide: A nutritional approach to keep neuroinflammation within physiological boundaries—a systematic review. Vol. 21, International Journal of Molecular Sciences. MDPI AG; 2020. p. 1–25.

36. Khalaj M, Saghazadeh A, Shirazi E, Shalbafan MR, Alavi K, Shooshtari MH, et al. Palmitoylethanolamide as adjunctive therapy for autism: Efficacy and safety results from a randomized controlled trial. J Psychiatr Res. 2018 Aug 1;103:104–11.

37. Karhson DS, Krasinska KM, Dallaire JA, Libove RA, Phillips JM, Chien AS, et al. Plasma anandamide concentrations are lower in children with autism spectrum disorder. Mol Autism. 2018 Mar 12;9(1).

38. Zamberletti E, Gabaglio M, Parolaro D. The endocannabinoid system and autism spectrum disorders: Insights from animal models. Vol. 18, International Journal of Molecular Sciences. MDPI AG; 2017.

39. Wei D, Dinh D, Lee D, Li D, Anguren A, Moreno-Sanz G, et al. Enhancement of Anandamide-Mediated Endocannabinoid Signaling Corrects Autism-Related Social Impairment. Cannabis Cannabinoid Res. 2016 Jan 1;1(1):81–9.

40. Skripuletz T, Manzel A, Gropengießer K, Schäfer N, Gudi V, Singh V, et al. Pivotal role of choline metabolites in remyelination. Brain. 2015 Feb 1;138(2):398–413.

41. Tayebati SK, Amenta F. Choline-containing phospholipids: Relevance to brain functional pathways. In: Clinical Chemistry and Laboratory Medicine. 2013. p. 513–21.

42. Nasiri J, Kargar M. Combination of citicoline and physiotherapy in children with cerebral palsy. Int J Prev Med. 2014;5(10).

43. Salamah A, Mehrez M, Faheem A, El Amrousy D. Efficacy of Citicoline as a Neuroprotector in children with post cardiac arrest: a randomized controlled clinical trial. Eur J Pediatr. 2021;180(4).

44. Khattab NA, El-Kadem AH, Elblehi SS, Ahmed El-Mahdy N, El-Shitany NA. The emerging role of α7nAChRs/caspase-3/Nrf-2 signaling pathway in citicoline improved autistic behavior induced by thimerosal in mice. Int Immunopharmacol. 2024 Mar 30;Mar 30(130).

45. Lopresti AL. Curcumin for neuropsychiatric disorders: A review of in vitro, animal and human studies. Vol. 31, Journal of Psychopharmacology. SAGE Publications Ltd; 2017. p. 287–302.

46. Lamanna-Rama N, Romero-Miguel D, Desco M, Soto-Montenegro ML. An Update on the Exploratory Use of Curcumin in Neuropsychiatric Disorders. Vol. 11, Antioxidants. MDPI; 2022.

47. Chez, 2002 Double-Blind, Placebo-Controlled Study of L-Carnosine Supplementation in Children With Autistic Spectrum Disorders. Journal of Child Neurology, 17(11),.

48. Mehrazad-Saber Z, Kheirouri S, Noorazar SG. Effects of l-Carnosine Supplementation on Sleep Disorders and Disease Severity in Autistic Children: A Randomized, Controlled Clinical Trial. Basic Clin Pharmacol Toxicol. 2018 Jul 1;123(1):72–7.

49. Hajizadeh-Zaker R, Ghajar A, Mesgarpour B, Afarideh M, Mohammadi MR, Akhondzadeh S. L-Carnosine As an Adjunctive Therapy to Risperidone in Children with Autistic Disorder: A Randomized, Double-Blind, Placebo-Controlled Trial. J Child Adolesc Psychopharmacol. 2018 Feb 1;28(1):74–81.

50. Aoki Y, Yahata N, Watanabe T, Takano Y, Kawakubo Y, Kuwabara H, et al. Oxytocin improves behavioural and neural deficits in inferring others’ social emotions in autism. Brain. 2014 Nov 1;137(11):3073–86.

51. Parker KJ, Oztan O, Libove RA, Sumiyoshi RD, Jackson LP, Karhson DS, et al. Intranasal oxytocin treatment for social deficits and biomarkers of response in children with autism. Proc Natl Acad Sci U S A. 2017 Jul 25;114(30):8119–24.

52. Rossignol DA, Frye RE. Mitochondrial dysfunction in autism spectrum disorders: A systematic review and meta-analysis. Vol. 17, Molecular Psychiatry. 2012. p. 290–314.

53. Mousavinejad E, Ghaffari MA, Riahi F, Hajmohammadi M, Tiznobeyk Z, Mousavinejad M. Coenzyme Q10 supplementation reduces oxidative stress and decreases antioxidant enzyme activity in children with autism spectrum disorders. Psychiatry Res. 2018 Jul 1;265:62–9.

54. Goel R, Hong JS, Findling RL, Ji NY. An update on pharmacotherapy of autism spectrum disorder in children and adolescents. Vol. 30, International Review of Psychiatry. Taylor and Francis Ltd; 2018. p. 78–95.

55. Yang J, He L, Dai S, Zheng H, Cui X, Ou J, et al. Therapeutic efficacy of sulforaphane in autism spectrum disorders and its association with gut microbiota: animal model and human longitudinal studies. Front Nutr. 2023;10.

56. Momtazmanesh S, Amirimoghaddam-Yazdi Z, Hossein †, Moghaddam S, Mohammad †, Mohammadi R, et al. Sulforaphane as an adjunctive treatment for irritability in children with autism spectrum disorder: A randomized, double-blind, placebo-controlled clinical trial. 2020; Available from: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/pcn.13016/full

57. Malaguarnera M, Khan H, Cauli O. Resveratrol in autism spectrum disorders: Behavioral and molecular effects. Vol. 9, Antioxidants. MDPI; 2020.

58. Heidari A, Rostam-Abadi Y, Rezaei N. The immune system and autism spectrum disorder: Association and therapeutic challenges. Vol. 81, Acta Neurobiologiae Experimentalis. Nencki Institute of Experimental Biology; 2021. p. 249–63.

59. Hendouei F, Sanjari Moghaddam H, Mohammadi MR, Taslimi N, Rezaei F, Akhondzadeh S. Resveratrol as adjunctive therapy in treatment of irritability in children with autism: A double-blind and placebo-controlled randomized trial. J Clin Pharm Ther. 2020 Apr 1;45(2):324–34.

60. Gogou M, Kolios G. The effect of dietary supplements on clinical aspects of autism spectrum disorder: A systematic review of the literature. Vol. 39, Brain and Development. Elsevier B.V.; 2017. p. 656–64.

61. Arteaga-Henríquez G, Gisbert L, Ramos-Quiroga JA. Immunoregulatory and/or Anti-inflammatory Agents for the Management of Core and Associated Symptoms in Individuals with Autism Spectrum Disorder: A Narrative Review of Randomized, Placebo-Controlled Trials. CNS Drugs. Adis; 2023.

62. Deepmala, Slattery J, Kumar N, Delhey L, Berk M, Dean O, et al. Clinical trials of N-acetylcysteine in psychiatry and neurology: A systematic review. Vol. 55, Neuroscience and Biobehavioral Reviews. Elsevier Ltd; 2015. p. 294–321.

63. Adams JB, Audhya T, Mcdonough-Means S, Rubin RA, Quig D, Geis E, et al. Effect of a vitamin/mineral supplement on children and adults with autism [Internet]. 2011. Available from: http://www.biomedcentral.com/1471-2431/11/111

64. Ornoy A, Weinstein-Fudim L, Tfilin M, Ergaz Z, Yanai J, Szyf M, et al. S-adenosyl methionine prevents ASD like behaviors triggered by early postnatal valproic acid exposure in very young mice. Neurotoxicol Teratol. 2019 Jan 1;71:64–74.