Protocolos injetáveis para a saúde hepática e intestinal

Tratamentos para desintoxicação do nosso organismo

O termo “detox” se refere à detoxificação ou à desintoxicação do corpo humano. De forma simples, é a limpeza do nosso organismo de dentro para fora.

Diariamente, todos os processos pelos quais o nosso corpo passa geram toxinas. Isso ocorre porque o organismo diferencia componentes essenciais de outros elementos que não possuem nenhuma propriedade funcional e/ou vital. Essa diferenciação passa por processos metabólicos complexos, gerando assim compostos prejudiciais (tóxicos), os quais precisam ser eliminados de alguma forma.

O papel do fígado na detoxificação do organismo

O principal órgão envolvido no processo de limpeza das toxinas é o fígado, uma vez que todas as substâncias absorvidas pela via intestinal são filtradas por ele. Essa ação pode levar a uma sobrecarga desse órgão e a consequente necessidade de manutenção e de fortalecimento dos meios que facilitam a sua desintoxicação.

Sendo o segundo maior órgão do corpo e a maior glândula que compõe o organismo humano, o fígado possui funções extremamente importantes para o funcionamento e a regulação do metabolismo, do sistema digestivo, da desintoxicação e do armazenamento de vitaminas e minerais. Ele é fundamental e único, principalmente por realizar duas formas distintas de suporte sanguíneo.Além disso, é responsável por transformar quimicamente os xenobióticos acumulados em novas moléculas com características mais hidrofílicas, facilitando a sua eliminação na urina.

Essa transformação ocorre por meio de dois mecanismos, Reações de Fase I e Fase II:

• Fase I
Executa reações de oxidação, redução e hidrólise com o auxílio de enzimas do citocromo P450.

• Fase II
Ocorre a complexação das moléculas resultantes da Fase I com compostos endógenos, como a glicuronila, glutationa, sulfato e metila, os quais facilitam a sua excreção do organismo por diversas vias, a exemplo da urina e bile.

O fígado também é responsável por produzir a bile, armazenar e metabolizar vitaminas lipossolúveis, armazenar glicose, produzir proteínas plasmáticas e fatores de coagulação.

A importância do bom funcionamento do fígado

A função hepática é sinalizada por uma vasta gama de enzimas responsáveis por modular as reações que ocorrem naturalmente. As principais enzimas marcadoras, que controlam a função hepática, são as aminotransferases (TGO/AST e TGP/ALT). É importante ressaltar que essas enzimas não são totalmente específicas, mas atuam como indicativas de lesão. Além delas, temos moléculas mensageiras que ativam a sinalização para as funções hepáticas, sendo a monofosfato de adenosina cíclico (AMPc) uma das principais e que é a responsável por aumentar a exportação de glicose pelo fígado.

Os processos metabólicos realizados são altamente influenciados pelo que consumimos. Desde o ar que respiramos até uma dieta desequilibrada, com excesso de gorduras, açúcares e bebidas alcoólicas, e, consequentemente, pobre em nutrientes, podem causar uma sobrecarga hepática, dificultando a eliminação das toxinas. Com esse excesso, pode-se desencadear um aumento das enzimas aminotransferases, com consequente sinalização de alterações hepáticas, como esteatose hepática, diabetes, doença hepática associada ao álcool (ALD), cirrose e doença do fígado não alcoólico (DHGNA).

O intestino e a desintoxicação do organismo

O intestino também é fundamental na limpeza do organismo. É nele que se concentram os microrganismos que auxiliam na digestão, regulam processos e combatem doenças. Ademais, o intestino é responsável pela produção de fatores químicos e de fitomenadiona (Vitamina K).

A saúde intestinal está diretamente relacionada com o sistema nervoso central (SNC), incluindo nas reações ao estresse, ansiedade e depressão. Essa conexão ocorre por meio do eixo vago, pelas bactérias e pelo sistema imunológico, pois no intestino estão presentes diversas células do SNC encarregadas de controlar a resposta de diversas substâncias importantes para o funcionamento do corpo.

As funções mais conhecidas do intestino são a absorção e a digestão de nutrientes. Isso ocorre por conta da microbiota intestinal que, em simbiose, mantém a integridade da mucosa e permite a eficiência desses processos naturalmente. Quando essa microbiota se desequilibra, ocorre a chamada disbiose intestinal, que compromete a mucosa do intestino e deixa a corrente sanguínea suscetível à passagem desses microrganismos para o sangue. Quando isso acontece, eles passam a circular livremente pelo corpo, podendo desencadear doenças ou alterações mais graves.

O desequilíbrio intestinal pode ocorrer, principalmente, pela ingestão de alimentos gordurosos, consumo de bebida alcoólica, baixa ingestão de fibras, estresse, nicotina, medicamentos e doenças, como diverticulite, síndrome do intestino irritável, prisão de ventre e infecção intestinal. Normalmente é evidenciado pela queda de cabelo, ocorrências de náuseas, flatulências, fraqueza nas unhas, dificuldade de evacuar, inchaço e dor abdominal.

Confira abaixo nossas sugestões de protocolos endovenosos e intramusculares que podem auxiliar na manutenção da saúde hepática e intestinal.

img-content-pro-injet-inflamacao-peq-center

Protocolo endovenoso para esteatose hepática e demais complicações hepáticas

Protocolo indicado para doenças relacionadas à deficiência hepática. Possui colina com efeito secretor de VLDL, o que facilita a eliminação de gordura no fígado. A associação de selênio e n-acetilcisteína potencializa a síntese de glutationa e, consequentemente, atua na proteção dos hepatócitos. O sulfato de zinco age como cofator de enzimas, auxiliando no metabolismo hepático e impedindo o acúmulo de substâncias tóxicas e gordura. As vitaminas do complexo B são importantes na atividade do citocromo P450 e podem auxiliar as vias de desintoxicação, promovendo a atividade de enzimas essenciais ao processo.

  • Colina 500mg/2mL 1 ampola
  • N-acetilcisteína (NAC) 300mg/2mL 1 ampola
  • Selênio 80mcg/ 2mL 1 ampola
  • Sulfato de zinco 20mg/2mL 1 ampola
  • Complexo B (sem B1)/2mL (B2 10mg + B3 10mg + B5 50mg + B6 10mg) 1 ampola

Sugestão de uso: diluir 1 ampola de cada produto em 250mL de SF 0,9% e aplicar pela via endovenosa com gotejamento inicial lento (45-60min/bolsa), avaliando individualmente cada paciente.

Protocolo endovenoso para desintoxicação hepática pelo excesso de álcool

Os ativos que compõem o protocolo auxiliam na desintoxicação do fígado pelo excesso de álcool ingerido. Possui uma combinação de vitaminas do complexo B, responsáveis por ativar o citocromo P450 (CYP450) e facilitar a metabolização do álcool e do acetaldeído, com zinco atuando como cofator enzimático. O S-adenosilmetionina (SAMe) pode reduzir os danos hepáticos e melhorar a sobrevida de pacientes dependentes de álcool e possui efeito hepatoprotetor. A L-Arginina pode inibir a capacidade do excesso de álcool. A N-acetilcisteína auxilia no reparo dos danos causados no fígado, além de ser precursora da glutationa, a qual contribui na prevenção de cirrose. O Selênio pode melhorar a função hepática. O magnésio age como desintoxicante hepático, melhorando as dores de cabeça. A vitamina C possui a capacidade de reparar substâncias antioxidantes e auxiliar na produção de colágeno pelo organismo. Além disso, favorece a produção de vitamina E, promovendo aumento da saúde hepática.

  • Complexo B (sem B1)/2mL (B2 10mg + B3 10mg + B5 50mg + B6 10mg) 1 ampola
  • Sulfato de Zinco 20mg/2mL 1 ampola
  • SAME (S-Adenosil-L-Metionina) 200mg/2mL 1 ampola
  • L-Arginina 1g/2mL 1 ampola
  • NAC (N-Acetil Cisteína) 300mg/2mL 1 ampola
  • Selênio 80mcg/2mL 1 ampola
  • Sulfato de Magnésio 200mg/2mL 1 ampola

Sugestão de uso: diluir 1 ampola de cada produto em 250mL de SF 0,9% e aplicar pela via endovenosa com gotejamento inicial lento (45-60min/bolsa), avaliando individualmente cada paciente.

+

  • Vitamina C 1g/5mL 1 ampola

Sugestão de uso: diluir a ampola em 100mL de SF 0,9% e aplicar pela via endovenosa com gotejamento inicial lento (45-60min/bolsa), avaliando individualmente cada paciente.

Protocolo endovenoso para saúde hepática

A formulação auxilia na proteção do fígado, promovendo o aumento da saúde dos hepatócitos, combinando as vitaminas do complexo B, responsáveis por ativar o citocromo P450 (CYP450) e facilitar a metabolização das toxinas presentes. Possui a N-acetilcisteína que auxilia a síntese de glutationa e, consequentemente, a proteção dos hepatócitos. A metionina tem as funções de acelerar a remoção de gorduras presentes nas células hepáticas e de controlar a liberação de glutationa, juntamente com a glicina que é responsável pela produção da bile. A taurina possui capacidade de diminuir o colesterol hepático e equilibrar o metabolismo energético. A diminuição de ornitina no organismo está associada à incidência da insuficiência hepática aguda.

SORO I

  • Complexo B (sem B1)/2mL (B2 10mg + B3 10mg + B5 50mg + B6 10mg) 1 ampola
  • N-acetilcisteína 300mg/2mL 2 ampolas
  • L-metionina 100mg/2mL 1 ampola
  • L-glicina 75mg/2mL 1 ampola
  • Vitamina B12 (metilcobalamina) 500mcg/1mL 1 ampola
  • L-taurina 100mg/2mL 1 ampola
  • L-ornitina 300mg/2mL 1 ampola

Sugestão de uso: diluir 1 ampola de cada produto acima em 250mL de SF 0,9% e aplicar pela via endovenosa com gotejamento lento (cerca de 45-60min/bolsa), avaliando individualmente cada paciente.

SORO II

  • Ácido Lipoico 600mg/24mL 1 frasco

Sugestão de uso: diluir 1 frasco do produto acima em 250mL de SF 0,9% e aplicar pela via endovenosa com gotejamento lento (cerca de 1h/bolsa), avaliando individualmente cada paciente.

Protocolo endovenoso para disbiose

Protocolo que combina ativos importantes para o tratamento da disbiose. O MSM é responsável por prevenir e tratar a permeabilidade intestinal, além de revestir as membranas mucosas dos intestinos e possuir ação anti-inflamatória gástrica, reduzindo os níveis de citocinas pró-inflamatórias. A vitamina C é um antioxidante que auxilia no equilíbrio da síndrome metabólica, favorecendo a produção e manutenção da vitamina E, promovendo também uma melhora na função hepática. O pool de aminoácidos atua na reposição de aminoácidos essenciais, utilizados como cofatores enzimáticos para contribuir na manutenção do equilíbrio metabólico. As vitaminas do complexo B possuem papel fundamental nos processos enzimáticos e metabólicos, a partir da ativação do citocromo P450. Possui a N-acetilcisteína que auxilia a síntese de glutationa e, consequentemente, a proteção dos hepatócitos. A Biotina é uma vitamina hidrossolúvel, importante para a metabolização de gorduras, impedindo o seu acúmulo nos hepatócitos.

  • MSM (metilsulfonilmetano) 1,5g/10mL 1 ampola
  • Vitamina C 1g/5mL 2 ampolas
  • Pool de aminoácidos essenciais (5,56%)/10mL 1 ampola
  • Complexo B (Sem B1) B2 10mg + B3 10mg + B5 50mg + B6 10mg/2mL 1 ampola
  • N-acetilcisteína 300mg/2mL 2 ampolas
  • Biotina 5mg/2mL 1 ampola

Sugestão de uso: diluir 1 ampola de cada produto em 250mL de SF 0,9% e aplicar pela via EV com gotejamento inicial lento (45-60 min/bolsa), avaliando individualmente cada paciente.

img-content-pro-injet-inflamacao-peq-center2

Protocolo intramuscular para hepatoproteção e colesterolemia

Possui em sua composição o inositol que auxilia na redução dos níveis de colesterol, prevenindo as doenças hepáticas relacionadas ao seu aumento na corrente sanguínea. Além disso, ele também atua como micronutriente da colina, aumentando a produção de antioxidantes e facilitando a remoção de gordura dos hepatócitos. A taurina possui ação antioxidante e auxilia no tratamento e na prevenção do fígado gorduroso.

  • Inositol 100mg + Taurina 100mg/2mL 1 ampola
  • Colina 500mg/2mL 1 ampola
  • Lidocaína 20mg/1mL 1 ampola

Sugestão de uso: aspirar o conteúdo das ampolas e aplicar lentamente no músculo ventroglúteo.

Protocolo intramuscular detox hepático

A formulação tem como objetivo desintoxicar o fígado com a combinação de vitaminas do complexo B, responsáveis por ativar o citocromo P450 (CYP450) e facilitar a metabolização das toxinas presentes. A N-acetilcisteína auxilia na síntese de glutationa e, consequentemente, na proteção dos hepatócitos. A metionina tem função de acelerar a remoção de gorduras presentes nos hepatócitos e controlar a liberação de glutationa, que por sua vez protege as células e possui poder antioxidante, juntamente com a glicina, que é responsável pela produção da bile. A lidocaína atua como anestésico local, reduzindo o possível incômodo na administração do medicamento.

  • Complexo B (sem B1)/2mL (B2 10mg + B3 10mg + B5 50mg + B6 10mg) 1 ampola
  • N-acetilcisteína 300mg/2mL 1 ampola
  • L-metionina 100mg/2mL 1 ampola
  • L-glicina 75mg/2mL 1 ampola
  • Metilcobalamina 500mcg/1mL 1 ampola
  • Lidocaína 20mg/1mL 1 ampola

Sugestão de uso: aspirar o conteúdo das ampolas e aplicar lentamente metade do volume (cerca de 5mL) em cada músculo ventroglúteo.

Protocolo intramuscular para disbiose

Possui uma combinação de ativos importantes no tratamento da disbiose. O MSM é responsável por prevenir e tratar a permeabilidade intestinal, além de revestir as membranas mucosas dos intestinos e possuir ação anti-inflamatória gástrica, reduzindo os níveis de citocinas pró-inflamatórias. A vitamina C é um antioxidante que auxilia no equilíbrio da síndrome metabólica, favorecendo a produção e manutenção da vitamina E, promovendo também uma melhora na função hepática. A L-Glicina é utilizada como anti-inflamatório e cicatrizante celular, enquanto a lidocaína é um anestésico para aumentar o conforto na administração.

  • MSM (metilsulfonilmetano) 750mg/ 5mL 1 ampola
  • Vitamina C 444mg/2mL 1 ampola
  • L-glicina 75mg/2mL 1 ampola
  • Lidocaína 20mg/1mL 1 ampola

Sugestão de uso: aspirar o conteúdo das ampolas e aplicar lentamente metade do volume (cerca de 5mL) em cada músculo ventroglúteo.

Conheça mais sobre os ativos

Ácido lipoico

Possui ação antioxidante nos hepatócitos, pois é metabolizado diretamente no fígado.

Colina

Estudos demonstram que a colina atua no fígado por meio da ativação de secreção de VLDL e, consequentemente, impede o acúmulo de gordura . Além disso, apresenta resultados clínicos positivos na prevenção dos efeitos nocivos do álcool e no tratamento adjuvante de hepatites.

Complexo B

Vitaminas com papéis fundamentais em processos enzimáticos e metabólicos.

  • Biotina (vitamina B7)
    Vitamina hidrossolúvel importante para a metabolização de gorduras, impedindo o acúmulo nos hepatócitos.
  • Metilcobalamina (Vitamina B12)
    Auxilia na atividade do citocromo P450.
  • Niacinamida (vitamina B3)
    É a amida fisiologicamente ativa da niacina, uma vitamina essencial do complexo B. Também auxilia na ativação do citocromo P450.
  • Piridoxina (Vitamina B6)
    Auxilia na atividade do citocromo P450.
  • Riboflavina (Vitamina B2)
    Atua no metabolismo energético e proteico, além de auxiliar na ativação do citocromo P450.
  • Tiamina (Vitamina B1)
    Responsável por ativar a enzima transcetolase, essencial para a manutenção das vias metabólicas da glicose. Além disso, possui importante atividade na ativação do citocromo P450.

Inositol

Auxilia na redução dos níveis de colesterol.

L-arginina

Inibe a capacidade do excesso alcoólico, contribuindo para a sua metabolização.

L-glicina

Atua na prevenção do acúmulo de gordura no fígado.

L-glutathion

Utilizado no processo de metabolização de substâncias no fígado, auxiliando na saturação alcoólica.

L-metionina

Auxilia no processo de metabolização de gordura e modula a produção de glutationa, neutralizando toxinas e evitando o acúmulo de gordura nos hepatócitos.

L-ornitina

Contribui para a proteção do fígado.

L-taurina

Auxilia no funcionamento adequado dos hepatócitos, devido ao aumento do metabolismo energético.

Magnésio

Atua como desintoxicante hepático, aumentando a vasodilatação.

MSM

Possui função hepatoprotetora na lesão hepática aguda.

N-acetilcisteína

Repara o dano oxidativo por produzir glutationa. Associado ao selênio, possui efeito potencializado.

Pool de aminoácidos

Auxiliam como cofatores enzimáticos na metabolização do álcool e do acetaldeído.

S-adenosilmetionina (SAMe)

Reduz os danos hepáticos e melhora a qualidade de vida de pacientes dependentes de álcool, auxiliando na proteção do fígado.

Selênio

Melhora da função hepática.

Vitamina C

Possui a capacidade de reparar substâncias antioxidantes e auxiliar na produção de colágeno pelo organismo. Atenua o processo de isquemia-reperfusão, diminui a suscetibilidade a infecções, equilibra a matriz extracelular, favorece a cicatrização e resistência da cicatriz, melhora a ação dos leucócitos e protege os tecidos contra ação danosa dos radicais livres. Além disso, atua como antioxidante e auxilia o equilíbrio na síndrome metabólica, favorecendo a produção e manutenção da vitamina E, promovendo uma melhora na função hepática.

Zinco

Atua como cofator enzimático, favorecendo a ação de diversas enzimas necessárias para a limpeza do fígado, protegendo os hepatócitos da sobrecarga.

Além dos protocolos injetáveis, algumas fórmulas manipuladas da Essentia Pharma, assim como alguns produtos da nossa linha Essential Nutrition podem complementar os tratamentos sugeridos e potencializar os resultados. Confira algumas sugestões:

Fórmula de recuperação hepática

O selênio e a silimarina atuam no processo de desintoxicação impedindo a formação e a intercepção dos radicais livres, protegendo as células do estresse oxidativo e de substâncias altamente reativas geradas no organismo. O uso da N-acetilcisteína pode permitir a reparação do dano oxidativo por produzir glutationa. A fosfatidilcolina auxilia na remoção de gordura dos hepatócitos e a eliminação dos xenobióticos.

  • Fosfatidilcolina 150mg
  • Colina (citrato) 150mg
  • Silimarina 300mg
  • Acetilcisteína 300mg
  • Selênio 100mcg
  • Zinco (Albion®) 10mg

Sugestão de posologia: tomar 1 dose, 2 a 3 vezes ao dia.

Fórmula de desintoxicação do fígado

Tem função de limpeza do fígado ao estimular a fase I e II da biotransformação. Contém fitonutrientes, antioxidantes e outros compostos que aumentam as defesas celulares e desintoxicam e protegem o DNA.

  • Dandelion 225mg
  • Colina (citrato) 150mg
  • Alcachofra 200mg
  • Inositol 150mg
  • L-metionina 150mg
  • Silimarina 150mg
  • Alho envelhecido 150mg
  • Ginger 100mg
  • Bardana 100mg
  • Cálcio D-glucarate 100mg
  • Boldo 100mg

Sugestão de posologia: tomar 1 dose ao dia.

Black Cumin Seed Oil

Black cumin seed oil, também conhecido como óleo da semente do cominho preto, é proveniente das sementes da Nigella sativa, uma planta nativa da Ásia. Mais de 500 estudos revisados sustentam os potenciais benefícios do seu extrato para a saúde, possuindo um amplo espectro de ações farmacológicas. Black cumin é uma fonte rica de fitoquímicos naturais: contém mais de 100 compostos ativos que podem promover a saúde, sendo os mais estudados quanto aos seus efeitos a timoquinona, timohidroquinona, timol e beta-sitosterol. O óleo é, em média, 30% mais concentrado do que as sementes in natura ou extrato seco. É rico em ácidos graxos essenciais alfa-linolênico (ômega-3) e ácido linoleico (ômega-6), além de vitaminas e minerais. Promove a saúde do sistema imunológico, cardiovascular e digestivo. Eficaz como hepatoprotetor, também auxilia no controle glicêmico em pacientes com diabetes tipo 2. Black cumin seed oil possui ação antiviral, antifúngica e antimicrobiana, com estudos recentes mostrando sua ação em diversas cepas de Salmonella, Staphylococcus aureus e bactérias resistentes aos antibióticos. Na Ásia e no Oriente Médio, esse fitoterápico é utilizado para tratar a asma, bronquite, reumatismo e outras doenças inflamatórias.

  • Black Cumin Seed oil 500mg
  • Liquid capsules 60 doses

Sugestão de posologia:tomar 1 cápsula, 2 vezes ao dia.

Blend de fibras

  • Psyllium 3000mg
  • Glucomannan 400mg
  • Avena sativa 50mg
  • Goma guar 700mg
  • Pectina 500mg
  • Beta-glucana 150mg

Sugestão de posologia: 1º ao 8º dia tomar 1 dose à noite com 1 copo de água.

Fórmula intestino saudável

A fórmula é projetada para dar suporte ao trato gastrointestinal. Mantém a saúde da barreira gastrointestinal ao promover o equilíbrio inflamatório e a produção de mucina no intestino e impulsionar vias de desintoxicação. Melhora a função do fígado.

  • Vitamina A 2.000 UI
  • Biotina 250mcg
  • Zinco (Albion®) 5mg
  • L-glutamina 100mg
  • N-acetil-L-cisteína 150mg
  • N-acetil-D-glucosamina 100mg
  • Silimarina 150mg

Sugestão de posologia: tomar 1 dose, 2 a 3 vezes ao dia.

Fórmula glutashield – protetora gastrointestinal

Estes ingredientes ajudam a regenerar e manter os enterócitos, enquanto fortalecem a saúde da barreira da mucosa intestinal e promovem o equilíbrio inflamatório. A fórmula inclui uma alta dose de L-glutamina, que serve como nutriente para o revestimento do intestino.

  • Vitamina A 2.000 UI
  • Zinco (taste free) 10mg
  • L-glutamina 3g
  • N-acetil-D-glucosamina 200mg
  • Licorice (10% ácido glicirrízico) 200mg
  • Base shake qsp 1 dose

Sugestão de posologia: tomar 1 dose ao dia, diluída em água ou suco.

Reposição da flora

  • Lactobacillus acidophilus 2,5x109UFC
  • Bifidobacterium longum 2,5x109UFC

Sugestão de posologia: tomar 1 dose ao dia com água.

Produtos Essential Nutrition
Além das terapias injetáveis e as sugestões home care, a suplementação conjunta com os produtos Essential Nutrition colabora com os efeitos benéficos na saúde do fígado e intestino.

Hydrolift

Vitalift

Immuno Whey

Collagen Gut

Fiberlift

Glutamina

IMPORTANTE

Este material é de apoio técnico para prescritores e é proibida a sua divulgação
para consumidores, nos termos do item 5.14 da RDC 67/2007.

Llibre-Nieto, G., Lira, A., Vergara, M., Solé, C., Casas, M., Puig-Diví, V., … Sánchez-Delgado, J. (2021). Micronutrient Deficiencies in Patients with Decompensated Liver Cirrhosis. Nutrients, 13(4), 1249. doi:10.3390/nu13041249

Vadarlis, A., Antza, C., Bakaloudi, D. R., Doundoulakis, I., Kalopitas, G., Samara, M., … Chourdakis, M. (2020). Systematic review with meta‐analysis: The effect of vitamin E supplementation in adult patients with non‐alcoholic fatty liver disease. Journal of Gastroenterology and Hepatology. doi:10.1111/jgh.15221

Licata, A.; Zerbo, M.; Como, S.; Cammilleri, M.; Soresi, M.; Montalto, G.; Giannitrapani, L. O Papel da Deficiência de Vitamina na Doença Hepática: Suplementar ou Não Suplementar? Nutrientes 2021 , 13 , 4014. https://doi.org/10.3390/nu13114014.

Ballway, JW, & Song, B.-J. (2021). Abordagens translacionais com fitoquímicos antioxidantes contra estresse oxidativo mediado por álcool, disbiose intestinal, disfunção da barreira intestinal e doença hepática gordurosa. Antioxidantes, 10(3), 384. doi:10.3390/antiox10030384

Shephard, R. J., & Johnson, N. (2014). Effects of physical activity upon the liver. European Journal of Applied Physiology, 115(1), 1–46. doi:10.1007/s00421-014-3031-6

Abenavoli, L., Di Renzo, L., Boccuto, L., Alwardat, N., Gratteri, S., & De Lorenzo, A. (2018). Health benefits of Mediterranean diet in nonalcoholic fatty liver disease. Expert Review of Gastroenterology & Hepatology, 12(9), 873–881. doi:10.1080/17474124.2018.1503947

Morisco, F., Vitaglione, P., Amoruso, D., Russo, B., Fogliano, V., & Caporaso, N. (2008). Foods and liver health. Molecular Aspects of Medicine, 29(1-2), 144–150. doi:10.1016/j.mam.2007.09.003

Asrani, S. K., Devarbhavi, H., Eaton, J., & Kamath, P. S. (2018). Burden of Liver Diseases in the World. Journal of Hepatology. doi:10.1016/j.jhep.2018.09.014

Kalra A, Yetiskul E, Wehrle CJ, Tuma F. Physiology, Liver. Em: Stat Pearls. Publicação StatPearls, Ilha do Tesouro (FL); 2022. PMID: 30571059.

Traber, M. G., Buettner, G. R., & Bruno, R. S. (2018). The Relationship Between Vitamin C Status, the GUT-Liver Axis, and Metabolic Syndrome. Redox Biology, 101091. doi:10.1016/j.redox.2018.101091

Bustamante, J. (1998). Ácido α-Lipóico no Metabolismo e Doenças do Fígado. Free Radical Biology and Medicine, 24(6), 1023-1039. doi:10.1016/s0891-5849(97)00371-7

Wen, C., Li, F., Zhang, L., Duan, Y., Guo, Q., Wang, W., … Yin, Y. (2018). A taurina está envolvida no metabolismo energético no músculo, tecido adiposo e fígado. Molecular Nutrition & Food Research, 1800536. doi:10.1002/mnfr.201800536

Laemmle, A., Gallagher, RC, Keogh, A., Stricker, T., Gautschi, M Nuoffer, J.-M., Häberle, J. (2016). Frequência e Fisiopatologia da Insuficiência Hepática Aguda na Deficiência de Ornitina Transcarbamilase (OTCD). PLOS ONE, 11(4), e0153358. doi:10.1371/journal.pone.0153358

Wahlang, B., McClain, C., Barve, S., & Gobejishvili, L. (2018). Papel da sinalização de AMPc e fosfodiesterase na saúde e doença do fígado. Sinalização Celular, 49, 105–115. doi:10.1016/j.cellsig.2018.06.005

Mitra S, De A, Chowdhury A. Epidemiology of non-alcoholic and alcoholic fatty liver diseases. Transl Gastroenterol Hepatol. 2020 Apr 5;5:16. doi: 10.21037/tgh.2019.09.08. PMID: 32258520; PMCID: PMC7063528.

Guo D, Zhang L, Zhang L, Han S, Yang K, Lin X, Wen C, Tong A, Zhang M, Yin Y, Deng B. Effect of Dietary Methylsulfonylmethane Supplementation on Growth Performance, Hair Quality, Fecal Microbiota, and Metabolome in Ragdoll Kittens. Front Microbiol. 2022 Jul 4;13:838164. doi: 10.3389/fmicb.2022.838164. PMID: 35859746; PMCID: PMC9292726.

Otten, AT; Bourgonje, AR; Peters, V.; Alizadeh, BZ; Dijkstra, G. Harmsen, HJM Suplementação de Vitamina C em Indivíduos Saudáveis ​​Leva a Mudanças de Populações Bacterianas no Intestino – Um Estudo Piloto. Antioxidantes 2021 , 10 , 1278. https://doi.org/10.3390/antiox10081278

Bernaud, F. S. R. et al. “Fibra alimentar –ingestão adequada e efeitos sobre a saúde do metabolismo”. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, 2013.

De Moraes, A. C. F. et al. “Microbiota intestinal e risco cardiometabólico: mecanismos e modulação dietética”. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia e Metabologia, 2014.

“Diet and the Gut”. World Gastroenterology Organisation Global Guidelines, 2018.

Jingqing Chen, Yuchen Yang, Ying Yang, Zhaolai Dai, In Ho Kim, Guoyao Wu, Zhenlong Wu, Suplementação Dietética com Glicina Melhora a Integridade da Mucosa Intestinal e Melhora a Inflamação em Camundongos C57BL/6J com Obesidade Induzida por Dieta Rica em Gordura, The Journal of Nutrição , Volume 151, Edição 7, julho de 2021, Páginas 1769–1778, https://doi.org/10.1093/jn/nxab058

Faria, A. C. “O intestino e o sistema imune”. Sociedade Brasileira de Imunologia, 2019. Katekawa, A. et al. Médicos na Cozinha. Editora dos Editores, 2019.

Li, Dr. W. W. Comer para vencer doenças – as novas evidências científicas de como o seu corpo é capaz de se curar. Editora Fontanar, 2019.

Ministério da Saúde, Guia alimentar para a população brasileira – Promovendo a alimentação saudável, 2008.

Mota, J. F. “Saúde intestinal e imunidade”. Sociedade Brasileira de Diabetes, 2019.

Nascimento, A. R. S. et al (org.). Saúde mental e suas interfaces: rompendo paradigmas. Editora Poisson. Belo Horizonte, 2021.

Shils, M. E. et al. Nutrição Moderna de Shils na Saúde e na Doença. Editora Geral, 2011.

Tonini, I. G. de O et al. “Gut-brain Axis: Relationship Between Intestinal Microbiota and Mental Disorders”. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 7, p. e499974303, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i7.4303. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/4303. Acesso em: 07 out. 2022.

Vadarlis, A., Antza, C., Bakaloudi, D. R., Doundoulakis, I., Kalopitas, G., Samara, M., … Chourdakis, M. (2020). Systematic review with meta‐analysis: The effect of vitamin E supplementation in adult patients with non‐alcoholic fatty liver disease. Journal of Gastroenterology and Hepatology. doi:10.1111/jgh.15221.

Wu G, Fang YZ, Yang S, Lupton JR, Turner ND. Glutathione metabolism and its implications for health. J Nutr. 2004 Mar;134(3):489-92. doi: 10.1093/jn/134.3.489. PMID: 14988435.

Galażyn-Sidorczuk M, Brzóska MM, Rogalska J, Roszczenko A, Jurczuk M. Effect of zinc supplementation on glutathione peroxidase activity and selenium concentration in the serum, liver and kidney of rats chronically exposed to cadmium. J Trace Elem Med Biol. 2012 Jan;26(1):46-52. doi: 10.1016/j.jtemb.2011.10.002. Epub 2011 Nov 18. PMID: 22100499.

de Andrade KQ, Moura FA, dos Santos JM, de Araújo OR, de Farias Santos JC, Goulart MO. Oxidative Stress and Inflammation in Hepatic Diseases: Therapeutic Possibilities of N-Acetylcysteine. Int J Mol Sci. 2015 Dec 18;16(12):30269-308. doi: 10.3390/ijms161226225. PMID: 26694382; PMCID: PMC4691167.

Senthilkumar R, Viswanathan P, Nalini N. Glycine modulates hepatic lipid accumulation in alcohol-induced liver injury. Pol J Pharmacol. 2003 Jul-Aug;55(4):603-11. PMID: 14581719.

Avila MA, García-Trevijano ER, Martínez-Chantar ML, Latasa MU, Pérez-Mato I, Martínez-Cruz LA, del Pino MM, Corrales FJ, Mato JM. S-Adenosylmethionine revisited: its essential role in the regulation of liver function. Alcohol. 2002 Jul;27(3):163-7. doi: 10.1016/s0741-8329(02)00228-8. PMID: 12163144.